podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
26 de Outubro de 2008

Dizem que tenho as mãos diferentes.

Dizem que tenho o olhar diferente.

Dizem que tenho o corpo diferente.

Dizem que sou diferente.

Mas o que é isso de ser diferente?

Será por não termos a beleza que todos ambicionam ter?

Será por sermos portadores de algo que os outros não tem?

Será que ter os olhos de lado é ser diferente?

Será que não ter cabelo ou mesmo a cabeça ainda maior que o normal é ser diferente?

Será que babar a roupa toda é ser diferente?

Será que não conseguir brincar como todas as crianças conseguem é ser diferente?

Será que não conseguir ter pensamentos e falar como todos os outros é ser diferente?

Será que ver o mundo de uma forma diferente é ser diferente?

Será que vejo mesmo o mundo diferente ou apenas o vejo bonito, lindo, afinal de forma diferente de como vêem todos os outros?

Gostava de poder ter um brinquedo igual aos outros e não esta cadeira de rodas.

Gostava de poder ir à escola como todos os meninos e não ir para a fisioterapia para poder conseguir mexer um músculo.

Gostava de ter um arranhão simples como todos os meninos simples e não ter um vírus que me matou o cérebro.

Gostava de poder comer normalmente como uma criança normal e não através de uma seringa qualquer, sem sentir os sabores dos alimentos.

Sei que o mundo é um conjunto de cores, movimentos lindos de coisas, pessoas que parecem ser felizes e para quem sorrio sempre.

Elas olham-me como uma espécie estranha. Pareço ser um qualquer animal de zoológico, diferente dos ditos humanos.

Elas olham-me com piedade, como se fosse a maior das aberrações, um objecto mal conseguido.

Mas eu apenas sou um ser humano. Não sou diferente, apenas tenho outras características como todas as pessoas tem.

Não sou estranho, apenas tenho um rumo diferente como todos tem.

Não sou uma aberração, apenas tenho um destino diferente como todos tem.

Tenho olhos, uma boca, um corpo.

Nasci por onde todos nascem e fui feito como todos foram feitos.

Não sou o patinho feio, sou bonito à minha maneira.

Será que as árvores são todas iguais?

Será que as plantas são todas iguais?

Será que os outros animais são todos iguais?

Será que a cor dos oceanos é toda igual?

Será que os dias são todos iguais?

Então porque temos de ser todos iguais?

Então porque não posso ser assim, mas amado, sentir esse carinho à minha maneira?...

publicado por opoderdapalavra às 23:40

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
José Hermano Saraiva costumava dizer que a pátria ...
Ao ler esse texto senti orgulho no peito, o mesmo ...
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
blogs SAPO