podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
13 de Outubro de 2009

Foto: Mariah

 

 

Veloz ficas no som do tempo

 

Voz que se perde no mar

 

Água que banha este luar

 

Onde olho apenas um gritar

 

Arranho de ruído que me separa

 

Barreira que divide o pensamento

 

Memória que leva-me no vento

 

Deixando-me estar, por simples ficar

 

No nada eu não nado sem voar

 

Porque nos céus deixo-me arrasar

 

São cores que trespassam-me

 

Luzes que resvalam-me no coração

 

Onde fiquei, quando parti?

 

Talvez na terra onde adormeci

 

E onde esqueceram-se de mim.

 

 

 

publicado por opoderdapalavra às 23:40

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
16
17
18
19
20
22
23
24
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO