podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
28 de Janeiro de 2010

Deixo-vos hoje um pequeno texto, que não é mais do que um bocadinho do meu novo livro. Abro uma pequena brecha, para que os que me seguem, sejam também os primeiros a ler o que estou a escrever. O nome do livro? Bem, não revelo tudo. Espero que gostem.

 

" Esta manhã, ao acordar senti algo que pensei não existir. A brisa através da janela do meu quarto. Mas senti sem um tecido a tapar-me a cara. Sentir o vento a tocar a pele, de forma livre, sem que pudéssemos estar presas ao simples conceito de uma religião, que me obriga todos os dias a ser escrava daquele quem Deus achou ser melhor para mim. O vento não teve o medo que eu sinto todos os dias. Ele veio, como um amante, e abraçou-me, tocando-me nos lábios. Ainda sinto o seu beijo, suave, meio seco, mas tão gostoso que ainda sinto o seu perfume. Tinha cheiro de rosas, como as que florescem nos jardins dos fundos do bairro. Senti o arrepio dos seus braços, que percorreram os meus, como que aconchegando-me no seu leito e defendendo-me dos meus maiores receios. O seu som parecia falar comigo, dizendo-me para sossegar e deixar-me ficar ali, como que se fosse a nossa casa, o nosso porto de abrigo, a nossa cama onde somos os amantes mais sinceros, puros e verdadeiros. Este vento é apenas o silêncio dos meus gritos, que berram na escuridão da minha existência. Sou aquele brado que transcende o infinito, em busca de uma mão que me guie para a cova, o buraco morto, o fundo sem regresso, o único sitio onde talvez eu possa voltar a ser o que realmente sou, alguém, pois acredito que as larvas que consomem os corpos amam-nos mais do que aqueles que se dizem nossos maridos, guardiões desta nossa eterna prisão. Mas agora que o vento se foi, choro pela sua partida. Amei-o, sentindo-o no meu íntimo. Espero o seu regresso, talvez um dia, antes de eu deixar de ser apenas o objecto insignificante que o mundo me tornou. Até breve meu amor, vento do meu coração"

publicado por opoderdapalavra às 21:18

Acabei de receber uma carta da Casa Civil da Presidência da Republica. A respectiva dizia que a minha carta, que aqui publiquei, foi recepcionada e está a ter a devida consideração. Despedem-se e ponto final. Resposta mesmo? Está a ser considerada. Vamos aguardar.

publicado por opoderdapalavra às 21:07
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
José Hermano Saraiva costumava dizer que a pátria ...
Ao ler esse texto senti orgulho no peito, o mesmo ...
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
blogs SAPO