podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
27 de Outubro de 2015

13382032657209_f.jpg

Sentado naquele banco do costume. Olhando o lago do costume. As mãos nas pernas do costume. O cheiro das castanhas que vem queimadas, daquela banca de vendas do costume. As folhas que vermelhas e amarelas, caem das árvores do costume. O vento que chegou do norte, trazendo o frio do costume. O relógio da torre que mantém o andamento do costume.

Parece que a vida se tornou uma rotina do costume. Sem nada de novo, tudo se mantém, como de costume. Estas rotinas trazem-me a saudade. A lembrança de em pequeno, correr sem parar, como se o mundo tivesse um horizonte sem fim. A memória de em pequeno, saltar sem cansar, como se o coração batesse até ao infinito. 

Em pequeno também não via a mesma árvore, nem notava no mesmo lago. Parecia sempre tudo diferente. Até a água que vem do riacho e preenche aquele enorme lago, conseguia perceber que as goticulas tinham sempre um mover diferente, nunca as mesmas do costume. As árvores tinham ramos mais pequenos um dia e crescidos no seguinte. As pessoas eram ora mais risonhas ora mais tristes, mas nunca mais ausentes como agora, sempre como de costume. 

E agora, após estes anos diferentes, tudo é tão igual. As horas, os dias, as semanas, os anos. Levanto-me, como de costume, pelas 10. Sempre com uma pergunta a rondar os pensamentos, o que terá de diferente este dia? E como de costume, tomo um banho quente, visto quase sempre os mesmos padrões e como de costume, como a torrada e uma chávena de café quente. Nem chego a variar o complemento daquele pedaço de pão. Manteiga, magra e de pouco sal. Até a marca, como de costume, escolho sempre a mesma. Saio e percorro as mesmas ruas até ao parque. De dia para dia, encontro-me com pessoas sempre em corrida, despojadas de sensações, coladas a telemóveis, freneticamente ligadas a um stress drogado. Vejo poucos sorrisos, como de costume, e muitas faces sérias, enfiadas num baixo olhar e em lábios contidos. Chego a chocar com pessoas cegas, que invariavelmente não me veem, como se me tivesse tornado invisível. Nem se conseguem ver a si próprias, como de costume. O que diferencia esta caminhada são as lojas. Situam-se no mesmo firmamento do costume, mas as que estavam ontem abertas, nem sempre são todas as que hoje se abrem de novo. A barbearia do Zé fechou faz duas semanas. Cortei ali o cabelo, durante anos e anos, como de costume. Mas isso já não existe hoje. Ou a mercearia da Antônia, que não aguentou a ausência de gente, e morreu um sábado pela manhã, deixando-me à porta, esperando por comprar um pacote de açúcar para o café. Escutei, como de costume se escutam as más notícias, que não suportou as lágrimas da solidão, de uma loja vazia, da falta de palavras, conversas, dizeres e cusquices da vida alheia. 

Em pequeno as ruas eram todos os dias diferentes. Rodava a bicicleta pelos mesmos lugares, mas reparava sempre em algo de novo. Como se nunca ali tivesse estado anteriormente. Tinha outros olhos, outros sorrisos e outras atenções. Mas agora, como de costume, a rotina cai sempre sobre os ombros. E pesa. Pesa tanto que faz dor. Uma dor que traz, como de costume, a falta de vista. Fica-se tão curvo que não se vê para lá do chão. Sei que o céu mantém-se de azul e as nuvens de branco. E sei que algures pela noite, lá em cima, apresentam-se as estrelas, como de costume. Mas apenas as cores do chão e do rasteiro, como de costume, se tornaram a minha companhia. 

Como de costume, já não sei o que a vida trará de novo. Perdeu-se a novidade, padeceu lá atrás no tempo, o mesmo que identificamos na desculpa de nada de novo fazermos. 

E assim me deixo estar. Como de costume, no mesmo banco, onde me acostumo a esperar.

publicado por opoderdapalavra às 16:45
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO