podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
09 de Dezembro de 2013

 

 

 

Se calhar sei o que é uma parte do amor. Sei-o porque comecei a sentir as sensações que nos levam até ele.

Amar é saber que a outra parte existe, seja a Vida, seja Deus, um pai, mãe, um filho, seja aquela pessoa, um animal. Dizemos amar algo ou alguém, mas temos de sentir a sua simplicidade,

A simplicidade do toque que no silêncio clama uma voz que nos diz, tudo está bem descansa,

A simplicidade de um respirar que nos sopra nos pulmões e os preenchem de um ar fresco, renovado,

A simplicidade de sabermos que do outro lado existe uma palavra, um nome, uma definição por quem chamamos quando sentimos a simplicidade da vontade,

A simplicidade de percebermos que afinal uma mão não serve apenas para contarmos dedos, mas para lhes adicionarmos os nossos e fazer uma soma entrelaçada de sentidos,

A simplicidade de largarmos uma lágrima e ela tornar-se num rio de emoções que inundam todo um abraço, todo um instante de reencontros, de partidas ou chegadas,

A simplicidade de sem movermos os lábios conseguirmos dizer coisas que nunca pensamos ter a coragem de gritar,

A simplicidade de pegar num cartaz e levantá-lo no céu a dizer, parem de lhe fazer mal,

A simplicidade de envolver na pele todo um corpo que nos aconchega,

A simplicidade de estender a mão e dizermos um desculpa e deixarmos que o perdão saia de forma pura dos nossos lábios

A simplicidade de escrevermos pensamentos com o que sentimos, e dizermos esse pensar em ruídos que não causam poluições, mas sim enormes sorrisos

A simplicidade de percebermos que outro é outro, não é a igualdade de nós, mas apenas a soma de 1+1=2, e que a esta matemática se chama respeito,

A simplicidade de sermos altruístas, não oferecendo piedade só para descansarmos o coração, mas oferecermos sim um sorriso, um caminho, uma luz,

A simplicidade de admitir que agradecer que afinal quem amamos, o que amamos, como amamos é apenas uma grande oportunidade de nos amarmos também.

Para ti, há muito que não te dizia…

publicado por opoderdapalavra às 22:12
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO