podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
06 de Maio de 2013

 

E assim chego a um fim. A palavra esmorece, a ideia acaba, o sonho padece e a forma é enterrada. Não se consegue continuar quando o caminho termina, mesmo que bruscamente, mesmo que sem avisar. Tudo tem o seu fim, e as palavras também.

Cheguei sem se notar, parto sem ser notado.

Escrevi sem querer, deixo de escrever por querer.

Afinal quem ousa pensar que a folha fica tão branca quanto nasceu?

Quem pensa que todas as letras cabem em todas as histórias?

Assim deixo a minha história, por aqui, por ali, pelo terminar de uma passada, que cai no abismo do vazio.

Não sei se voltarei, afinal não se regressa do enterro, nem se renasce do que morreu.

Adeus palavra, adeus caneta fina que tantas vezes deslizou por entre os dedos e se aconchegou no frio das frases soltas, no quente das descrições, na indiferença dos diálogos.

Assim nasceu... e assim morreu.

Fim.

publicado por opoderdapalavra às 00:17
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO