podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
09 de Maio de 2012

 

 

E naquele dia choveram flores. Não foram gotas de água pura, evaporada dos lagos e oceanos ou transpirada das árvores e arbustos, mas sim flores, milhares delas, margaridas, crisantos, malmequeres, rosas ou girassóis. Choveram, cobrindo a terra de um colorido nunca avistado por aquelas paragens, onde o perfume intenso se arrastava por quilómetros e quilómetros sem parecer que parasse. Olhar o céu repleto de flores que dançam pelo decore de nuvens cinzas, carregadas de um negrume arrepiante, é um sentido inigualável. Criou um certo sentido inverso do planeta, uma sensação de que o céu virara jardim e a terra um carregado e escuro céu.

A pergunta “ de onde vêem estas flores todas?” correu o pensamento de todos os habitantes da cidade. Uns benziam-se, apregoando rezas de espantar maus espíritos; outros estavam tão boquiabertos, que até as pétalas mais pequenas eram engolidas; havia aqueles que fugiam, refugiando-se dentro de lojas e casas, assustados com a possibilidade de saírem feridos de algum amasso de flor, chegando mesmo a gritarem aos que passavam nas ruas, observando aquele maravilhoso fenómeno.

publicado por opoderdapalavra às 23:30
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO