podes pensar, podes falar, mas tudo o que escrevas tem o poder de ficar.
07 de Maio de 2009

 Carissimos,

a partir de hoje vou publicando uma série de espisódios, que dão pelo nome de "Crónicas de um Pais Menor". Vai ser uma viagem feita por 2 pessoas, numa espécie de circum navegação neste país que é Portugal. Voltamos aos descobrimentos, mas agora na nossa era e dentro do nosso país. Deixo-vos com o primeiro episódio e vão estando atentos aos próximos. Obrigado.

 

 

 

"Aldeia algures em Portugal. Nome? Desconhecido, a placa desapareceu faz anos, com um incêndio. Carmina e Manel Alberto, que o pai teve de escolher dois nomes para não ficar demasiado comum a todos os outros que já existiram nesta terra, eram os únicos dois habitantes deste lugar perdido no tempo. Sabem que moram num país de nome Portugal, mas que terra é esta? Ninguém mais os vem visitar, a não ser de quase 4 em 4 anos, uns senhores vestidos emperaltadamente de fato e gravata, para que eles vão colocar uma cruz ou nas chaminés ou no punho cerrado. Dizem sempre que é a democracia... pois Manel, eu bem te digo que não é para nos darem nada, é mais um daqueles peditórios para alguém ter mais um dinheirito, bem Deus Nosso Senhor até vai achar que estamos a praticar o bem, pobrezitos deles que precisam mais do que nós.

Ora hoje aconteceu-lhes a coisa mais extraordinária na vida. Um homem, de mota na mão, carteiro de profissão, veio com uma carta. Trazia noticias dos filhos que estão na capital deste Portugal, foram à procura da fortuna. Um deles, o João, vai casar e mandou uma carta para os convidar. É lá, temos um problema ó Carmina, então agora temos de sair daqui e irmos a essa terra que nem sei pronunciar o nome... alto lá, são analfabetos sim, mas quem lhes leu a carta foi o carteiro, pois de letras eles apenas sabem a roça das terras. Ó Manel, mas o rapaz vai casar, temos de ir, mas como? O carteiro já ia longe quando se lembraram em perguntar como se ia para Lisboa, lugar de gente de bem, boas figuras, gente que sabe botar a fala dura, gente que come com os garfos brilhantes e tem sempre um pano no regaço. Mas como vamos para lá? Não conheço o caminho... Manel pensou então pegarem no pequeno tractor e porem-se a caminho, qual? Então já lhe dizia o seu avô que todos eles vão dar a Roma, que não deve ser muito longe de Lisboa. Fizeram a malita e vai de por um gasoleo comprado ao Ti Arruda que sempre vem de 3 em 3 meses a estes lados, aliás até foi ele que vendeu esta bela peça de trabalho, na troca de uma vara de porcos... Calma, aqui não há gripes.

Agora que o motor parece não quere deixar falar as pessoas, e caminho fora aos solavancos num terreno meio esburacado, vão cada um pensando o que vão encontrar. Como será este pais? Como serão as pessoas que vamos ver? E se ficarmos doentes, o que faremos? E o dinheiro que levo na carteira, os euros que o carteiro sempre nos traz pelo final do mês, onde os vou gastar? E será assim tão longe, onde vamos dormir na noite? Se calhar é já ali e até dá para regressar antes que o galo estúpido possa cantar...

Vamos a ver que pais é este que vamos descobrir..."

 

CONTINUA.

publicado por opoderdapalavra às 19:44
Há uma questão para a qual nunca tive resposta e que me fascina da mesma forma que um crime perfeito fascinaria Poirot. Mas aonde é que vais desencantar os nomes dos teus personagens ?
Anónimo a 25 de Maio de 2009 às 10:12
Pois, para quem me escreve, apenas te digo, meu Caro, que os nomes vem do momento, como as descrições, surgem, assim do nada...
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
27
28
29
30
31
Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Encontrei o texto hoje...Uma pequena correcção, as...
Obrigado Isabel. Concordo consigo, os Amigos apena...
Carlos, bonita homenagem a um amigo. Que o Luís re...
O que mais me chama a atenção, neste...
A tua escrita acompanha o teu espírito. Amadurece ...
Grata, sorrisos :o)
Quente.Arrebatador.
Leitura muito agradável :)Convido a leitura do meu...
Excelente!!Sinto-me representado.Sim, sou eu: o po...
O discurso é apelativo aos mais nobres sentimentos...
blogs SAPO